RESUMO

O mercado de flores e plantas ornamentais no Brasil movimenta um valor superior a 1 (Um) bilhão de dólares ao ano, com uma taxa de crescimento todos os anos. A principal região produtora e consumidora deste tipo de produto está no estado de São Paulo (70 a 80%), podendo-se estimar um gasto de US$6,00 per capita somente neste mercado. Santo André e as demais cidades do Grande ABC possuem uma população superior a 2 (Dois) milhões de habitantes cuja renda está acima da média nacional, ocupando a posição de 3º polo consumidor do país.

Dentre as formas de comercialização, as Centrais de Abastecimento, CEASAS, apresentam a parcela mais significativa deste mercado promissor.

A CEASA Grande ABC, preocupada com um melhor abastecimento deste ramo de atividade e, possuindo equipamento em condições de suprir esta necessidade, através do seu departamento técnico, vem propor um projeto inovador para a região, selecionando parceiros interessados em investir neste mercado.

INTRODUÇÃO

Com mais de 630 mil habitantes, Santo André é o centro de um mercado de imenso potencial, formado pelas demais cidades do Grande ABC – São Caetano, São Bernardo, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, zona leste da cidade de São Paulo além da Baixada Santista.

Santo André é servida por uma excelente infra-estrutura viária, com fácil acesso para as principais vias estaduais e federais, como a Anchieta, Imigrantes, Ayrton Senna, Fernão Dias e Dutra.

Conta também, com uma boa estrutura de Comunicações - além de estar desenvolvendo, com extrema rapidez e eficiência – um setor terciário em franca expansão.

Durante quatro décadas o ABC construiu a imagem de símbolo da industrialização emergente, que o transformou no terceiro maior polo consumidor do país, berço da indústria automobilística brasileira.

No cenário atual, diante da tendência de descentralização da indústria, o nosso perfil econômico vem assumindo novos contornos, com a região caminhando passo a passo na direção de consolidar-se como um grande centro consumidor, com intensa atividade no setor terciário, aproveitando-se de uma infra-estrutura de transportes e serviços desenvolvida ao longo desse período. E nesse processo o poder público tem desempenhado um papel fundamental, assumindo a iniciativa de propor alternativas e opções de desenvolvimento da região.

JUSTIFICATIVA

A Craisa – Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André – é um empresa pública criada por Lei Municipal em 1990, ocupando uma área de 160 mil metros quadrados.

Está situada às margens da Avenida dos Estados, no chamado Eixo Tamanduatehy, um complexo viário e ferroviário que liga a capital às cidades do ABC e Baixada Santista.Neste endereço funciona o CEASA Grande ABC, administrado pela CRAISA, conta com permissionários e autorizatários, que comercializam em média 166.108 toneladas /ano de hortiigranjeiros.Estes números o elevam à condição de 4º CEASA do estado de São Paulo em volume de comercialização, superado apenas pela Ceagesp e pelos Ceasas de Campinas e Ribeirão Preto.

A Craisa mantém em Santo André, em regime de parceria, 2 (Dois) Sacolões e 12 (Doze) feiras livres diárias de terça à domingo.Mantemos também um projeto inovador (piloto) onde colocamos a título de experiência alguns autorizatários de flores partir de dezembro de 2001, e conforme apresentação gráfica podemos notar que houve uma quantidade crescente de autorizatários e de suas respectivas quantidades comercializadas, o que reforça nosso total otimismo quanto ao potencial da região.

OBJETIVOS

Com a proposta de suprir a carência existente neste segmento na região, a Craisa, com intenção de otimizar as instalações de seu Mercado Atacadista e sua larga experiência na administração desse comércio, pretende atrair produtores e atacadistas do setor para a instalação de um Centro Atacadista de Flores, cujo modelo será definido pela equipe técnica em parceria com associações de produtores, cooperativas e atacadistas. A Craisa está segura de poder oferecer a esses empresários uma estrutura profissional de administração, comercialização e logística adequada, além de localização privilegiada e acesso fácil tanto às principais zonas produtoras quanto aos principais centros de consumo no Grande ABC e Baixada Santista.

O segmento de flores e plantas ornamentais na região se abastece atualmente de duas maneiras básicas, com fornecedores que entregam diretamente nos pontos de venda, as chamadas “ linhas “ , ou comprando no Entreposto Terminal da Ceagesp ou outros mercados como Campinas e Arujá. As “linhas” agregam valor atendendo seus clientes nos seus respectivos estabelecimentos comerciais, eliminando a necessidade de deslocamento, no entanto há um significativo aumento nos custos e diminui a possibilidade de escolha pelas mercadorias.O mercado de flores da Ceagesp, ainda hoje o local que mais comercializa plantas e flores no Brasil, traz também alguns inconvenientes como a sua distância da região, o tempo gasto nas compras e a necessidade de pagar por carregadores até seus veículos. Em ambos os casos há uma insatisfação generalizada dos agentes econômicos da região, pois a alta perecibilidade deste tipo de produto aliado às distâncias e aos intervalos entre as suas compras, muitas vezes reduzem a margem de lucro dos pequenos empresários a ponto de inviabilizar o negócio.

Para a resolução deste tipo de problemas, e vislumbrando uma oportunidade de negócio que irá gerar emprego e renda para nossa região, contribuindo inclusive para o desenvolvimento de toda a Ceasa do Grande ABC, é que a equipe técnica da Supervisão de Abastecimento da Craisa traz a proposta de organização e integração dos elos da cadeia produtiva de flores e plantas ornamentais, concentrando um polo de comercialização dentro do nosso mercado atacadista.

Maiores Informações sobre o mercado de flores:
Telefone (11) 4996-9500 ramal 2031/2066
e pelos e-mail ceasa@craisa.com.br ou abastecimento@craisa.com.br.